BLOG DOS CHAPAS DE CAMINHONEIROS DAS ESTRADAS BRASILEIRAS

O QUE É CHAPA

Você já deve ter visto nas margens das estradas e rodovias brasileiras, umas pessoas "acampadas" , próximo da entrada das cidades. Geralmente, se identificam, como CHAPA.
São os GUIAS para motoristas, no perímetro urbano, e ajudam nas cargas e descargas do material transportado.

Há muitos anos acalento a idéia de publicar um LIVRO com fotos dos CHAPAS DO BRASIL.
Enquanto esse sonho não se realiza, vou postar, aqui as fotos do futuro LIVRO.

Autor do blog

Minha foto
São Paulo ( Brasil ), Capital, Brazil
e-mail:eduardo.cimitan@gmail.com

GHAPA DE JANEIRO de 2009

Na marginal do Rio Pinheiros, na cidade de São Paulo - Foto E.P.L. 2007

4 comentários:

sonia a. mascaro disse...

Eduardo,
Um anúncio que me parece que foi abandonado... talvez o Chapa tenha mudado o seu ponto...
Bjs.

Gaspar de Jesus disse...

Eduardo
Bem interessante este têma!
Será que esta actividade ainda tem aderentes?
Efectivamente esta actividade é de crucial importancia para os condutores, mas agora com o aparecimentod o GPS...?
Abraço
G.J.

Eduardo P.L disse...

Gaspar,

GPS é caro, ainda, para os motoristas de caminhão. E CARGAS e DESCARGAS ele ( GPS) não faz!
Mas é uma profissão marginal, em todos os sentidos!
Obrigado pela visita e pelo oportuno comentário!

Chapa disse...

Belo blog. Abraço do Chapa

Arquivo do blog

REVISTA G1 do Portal de Notícias da Globo

A REVISTA G1 do PORTAL DE NOTÍCIA DA GLOBO publicou dia 23/setembro/2007 esta matéria:
Chapa, um verdadeiro amigo do caminhoneiro
À beira de estradas e avenidas, cada vez mais ele faz parte da rotina da Capital.Seu trabalho é servir de guia a motoristas e ajudar na descarga.MARCELO MORA
Especial para o G1, em São Paulo entre em contatoMarcelo Mora/G1
Genivaldo Barboza Carvalho, de 54 anos, um chapa com freguês fixo, aguarda serviço à beira da Rodovia Anhangüera. Quem chega pelas rodovias mais movimentadas ou passa por algumas das principais avenidas de São Paulo, como as marginais e a Bandeirantes, já pôde observar pequenas placas com os dizeres “CHAPA”, geralmente escritos a mão, com cores berrantes e letra irregular. Qualquer lugar serve: uma pedra, uma chapa de metal, um pedaço de madeira ou então de papelão mesmo, colocado em uma árvore. O objetivo é sempre o mesmo: chamar a atenção de caminhoneiros que chegam à Capital.Conheça alguns chapas das rodovias de SP
Na luta pela sobrevivência, o chapa oferece, na beira das estradas e avenidas, os seus serviços aos motoristas que vêm do Interior ou de outros estados. Em síntese, é mais um bico para aqueles que estão fora do mercado, seja pela idade, por falta de qualificação profissional ou por outros motivos, como ser ex-detento. Os caminhoneiros pagam aos chapas pelos serviços de guia. Afinal, circular pelos bairros de São Paulo não é tarefa das mais fáceis. E percorrer o melhor itinerário significa economia de tempo e, claro, de dinheiro, evitando ficar parado em congestionamentos. Por isso, todo chapa que se preze conhece a Capital na palma da mão. Chapa serve também para ajudar a carregar e descarregar a carga. Muitos caminhoneiros ainda trabalham como autônomos ou particulares. E necessitam desse tipo de mão-de-obra na entrega da carga. Como geralmente não conhecem as pessoas em São Paulo, recorrem aos chapas.
Madrugar e confiança
Como toda profissão, a de chapa também tem os seus macetes. Com a concorrência aumentando a cada dia, chegar cedo, logo de manhãzinha, à beira da estrada é um deles. E a confiança é o outro; o mais importante, aliás. É com base na confiança que o chapa pode até mesmo formar uma “clientela”. “Consigo arrumar trabalho todo dia, porque tenho freguês fixo. Se você não trabalhar direito, o caminhoneiro não te pega mais. Tem caminhoneiro que me liga avisando que está vindo e já marca para eu esperar nesta ou naquela estrada”, conta Genivaldo Barboza Carvalho, de 54 anos, enquanto acenava para motoristas à beira da Rodovia Anhanguera, na tarde de sexta-feira (21). Genivaldo, aliás, tem o perfil típico do chapa. São homens acima dos 50 anos que não encontram mais colocação no mercado de trabalho. “Comecei de chapa há três anos, porque não arrumo mais serviço. Trabalhei 28 anos como conferente em empresa de cargas com carteira registrada e ainda não consegui completar o tempo para me aposentar”, lamentou.Concorrência acirradaMarcelo Mora/G1Em menos de um quilômetro na Anhangüera, os chapas se enfileiram. A cada parada, o caminhoneiro pode constatar que os preços vão ficando mais baratos. A descarga de um caminhão, por exemplo, pode variar de R$ 30 a R$ 100; de uma carreta, de R$ 50 a R$ 200. Para circular pela Capital, fica mais em conta: entre R$ 20 a R$ 520. “Antigamente compensava (trabalhar de chapa). Agora, está ruim de serviço e tem muita concorrência. Por isso, não é todo dia que eu arrumo serviço. O que aparece, tem de pegar”, relata João Caetano de Souza, de 58 anos e há 15 no ‘ramo’. Um pouco adiante, preços ainda mais baixos e mais reclamações. “Consigo tirar R$ 100 por semana, uma mixaria”, diz Osvaldo Feitosa Dias, de 55 anos e chapa há 20, comodamente assentado em uma pedra à beira da estrada.Blog do ChapaComo em toda profissão, há os chapas confiáveis e aqueles que se aproveitam para passar por chapas e roubarem as cargas dos caminhoneiros. Desta forma, a desconfiança é inevitável, e quem paga são os chapas honestos. Aos poucos, no entanto, esses trabalhadores marginalizados começam a chamar a atenção de setores da sociedade, já que cada vez mais fazem, literalmente, parte da paisagem urbana. O artista plástico Eduardo Penteado Lunardelli, de 63 anos, por exemplo, criou o Blog do Chapas de Caminhoneiros. “A intenção é divulgar a idéia dos chapas e reunir fotos para fazer um livro chamado ‘Chapas do Brasil’. Com todas as fotos juntas, você terá um panorama fantástico, tanto geográfico quanto étnico, do Brasil”, explicou Eduardo.
João Caetano de Souza, de 58 anos é chapa á 15:" Esta ruim de serviço. O que aparece tem de pegar" MARCELO MORA G1

Algumas definições e textos com CHAPA

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO
CBO- Classificação Brasileira de Ocupações
7832 Trabalhadores de cargas e descargas de mercadorias
7832-15 ::Carregador (veículos de transportes terrestres) - Carregador de caminhão , Carregador de vagões , Carregador e descarregador de caminhões , Chapa (movimentador de mercadoria) , Chapa arrumador de caminhões , Chapa de caminhão


Chapa - É a denominação dada ao profissional autônomo que é contratado pelo motorista de caminhão para fazer o carregamento ou descarregamento da carga, na origem ou destino. http://www.guiadelogistica.com.br/

O "chapa" é aquele que se destina a descarregar mercadorias de caminhões, atendendo, a cada dia, motoristas e empresas distintas.
Com efeito, o "chapa" coloca sua mão-de-obra à disposição de múltiplos tomadores de serviços, geralmente permanecendo às portas de fábricas, por exemplo, à espera de serem chamados por caminhoneiros para promover o descarregamento das mercadorias por estes transportadas.


O chapa passava despercebido a toda a cidade, mas eu estacionei o carro para pedir informação. Sua profissão era essa mesmo: informar os motoristas e ...

O motorista desconfia que parte dos "chapas" (homens que fazem carga e descarga, colocados estrategicamente nas entradas das cidades) são olheiros de quadrilhas de roubo de carga. Alguns "chapas", comenta, "parecem microempresários, pois vivem com o celular na mão, dando dicas". CARLOS ROBERTO 37 anos, motorista que teve seu caminhão roubado.

Ao viajar por cidades desconhecidas, o caminhoneiro tem um companheiro certo, o "chapa", que o conduz até o local de entrega da mercadoria.
Fonte: Google

DAS HAVAIANAS- Dez- 2007

DAS HAVAIANAS- Dez- 2007
RecebemosDAS HAVAIANAS

LE JARDIN ÈPHÉMÈRE

Website Counter

.

.
gift autocaricatura do autor do blog

O autor do blog e uma placa

O autor do blog e uma placa
Entrada de Blumenau, SC - Setembro 2010 ( Foto: Aloísio Almeida Prado)